Aulão On-line: Origem do Universo

Nossa terceira semana de aulas on-line, realizada no final de maio, trouxe um tema intergaláctico e interdisciplinar.

Foram 8 vídeos, feitos por 1 educadora e 5 educadores, abordando temáticas que atravessam a nossa compreensão de mundo.

O desafio de desvendar a origem do universo encontra explicações na mitologia, filosofia, religião, literatura, arte e ciência. 

Você já parou para pensar na complexidade que envolve a nossa existência no universo? Espaço-tempo, matéria, gravidade, velocidade, planetas, estrelas, sistema solar, galáxias, buracos negros, a nossa própria vida. Como a vida surgiu aqui no Planeta Terra? Existe vida em outros planetas? Em outras galáxias? O universo terá um fim? 

Que tal embarcar nessa viagem cósmica com a gente?! 

Vem ver o conteúdo das nossas videoaulas e cada educadore que contribuiu:

  • 1. Teorias da Física: O Espaço – Filipe Pessoa
  • 2. Pespectiva histórica e filosófica – Fabiano Lima
  • 3. O tempo – Filipe Pessoa
  • 4. Evolução geológica da Terra – Luiz Lourenço
  • 5. Amanhecer cósmico – Anderson Fontenele
  • 6. A vida na Terra – Flávio Paixão
  • 7. A matéria – Filipe Pessoa
  • 8. “La Noche Cíclica” – Aline Araújo

Pra acessar o aulão Origem do Universo, clique aqui.

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | Deixe um comentário

Aulão da Ditadura On-line

E aí, galera, tudo bem? Se liguem no papo: estramos trazendo mais uma semana de aulão on-line pra vocês! É pra ficar em casa, mas não é pra ficar à toa, hein?!

Dessa vez, nossos educadores preparam uma série de conteúdos sobre a Ditadura Civil Militar, período importantíssimo da História do Brasil e muito cobrado nas provas de vestibular. Nos próximos dias postaremos aqui no blog do CPV os vídeos gravados por eles.

A gente não queria dar spoiler, mas… vem ver alguns dos temas que vão rolar:

o período Republicano, o papel da imprensa, a Era Vargas, a conjuntura do campo, a geopolítica da América Latina, o conceito de ditadura, os atos institucionais (AI), Marighela e movimento negro unificado, a ditadura nas favelas – lideranças, resistências e remoções, o Milagre Econômico e a Crise do Petróleo.

A primeira aula com a educadora Manu já tá no ar! É só clicar aqui em cima na aba “Aulões Online” ou direto nesse link: cpvceasm.wordpress.com/auloes-online.

Não esquece de compartilhar!

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | Deixe um comentário

Metas para essa quarentena

Tá sendo difícil segurar a ansiedade e se organizar né? A gente sabe que é muita pressão nesse momento. Então preparamos algumas dicas bafônicas pra todo mundo tirar bons proveitos dessa quarentena e não perder o ânimo pro vestibular, beleza? O que a gente traz hoje exige um pouquinho mais de disposição e disciplina pra manter o ritmo, mas lá na frente vocês vão ver que vai valer a pena. Vamos nessa?

📚 CRIANDO UMA ROTINA DE ESTUDOS 📚

Dica 1 – Estabelecer uma rotina ajuda o cérebro a se planejar, melhorando a capacidade de manter o foco e estimulando a adaptação do corpo às nossas necessidades cotidianas. Quando a gente se organiza, as coisas tendem a fluir melhor. Então bora dedicar um tempinho nisso? Depois de uma ou duas semanas, sua rotina de estudos vai rolar de um jeito bem mais natural.

Dica 2 – A gente sabe que nessa vida as coisas não são mole e quase nada cai do céu. Mas se a gente pode ajudar, a gente faz. Organizamos um plano de estudos BOLADO pra vocês, com todos os conteúdos que foram trabalhados nos meses de fevereiro e março, que vai servir pra guiar o planejamento de acordo com as possibilidades de cada um. Baixe aqui.

Pensem no tempo livre de vocês, se baseando na rotina diária ou semanal, para então definir o período que pode ser destinado para os estudos. Vocês podem dividir esse tempo com as quatro (4) disciplinas que estudaríamos por dia.

Por exemplo, na segunda-feira podem estudar: Álgebra, Geografia do Brasil, Física II e Base de Cálculos.

Também temos as vídeo-aulas da Semana de Saúde e do Meio Ambiente completa aqui no blog.

São aulas que trazem diversas perspectivas sobre a temática. Os educadores Flávio, Beatriz, Manu, Fernanda, Luizinho e Amanda construíram essas aulas pensando no nosso aprendizado. Assistam as aulas e anotem as dúvidas de vcs, ok? É importante ter um feedback!

Dica 3 – Encontrem o lugar menos barulhento e mais confortável da casa, se possível onde tenha uma mesa ou móvel pra apoiar caderno, livros, folhas e o celular também. Os equipamentos eletrônicos podem ser muito úteis nesse momento, mas é necessário ter concentração e firmeza pra não fugir do objetivo. Silenciem as notificações das redes e marquem no cronômetro o tempo de duração a cada disciplina estudada. Pode ser de 30, 40, 50 minutos ou mais, na medida do possível.

Dica 4 – O vestibular da UERJ foi adiado, mas não está cancelado, hein! Então vamos seguir nos preparando. Leia o livro indicado para o 1º Exame de Qualificação da UERJ: “O Triste Fim de Policarpo Quaresma”. E não deixe de anotar suas dúvidas, viu!? Os educadores de linguagens estão disponíveis para trocar uma ideia sobre o livro. Ah, tem também uma lista de curiosidades, questões de vestibular e um filme sobre o livro.

Lista dos livros da UERJ e link para baixar

Curiosidades e questões sobre o livro “Triste Fim de Policarpo Quaresma”

Filme: “Policarpo Quaresma, Herói do Brasil

Dica 5 – Não precisa focar apenas em livros ou anotações dos conteúdos de aula. Pra manter a mente sempre ativa e melhorar nossa percepção do mundo, o ideal é intercalar as atividades. Que tal assistir aqueles filme indicados pelos educadores ou as sugestões de filmes do mês da mulher?

Filmes indicados em sala de aula

Cineminha das Manas

Dica 6 – Vale também escutar nossa playlist MARAVILHOSA enquanto faz algumas tarefas de casa ou naquele tempinho de intervalo entre os estudos. É realmente importante a gente ter momentos de “ócio criativo”, se divertir, relaxar e aprender de formas diferentes. Corre lá! 😉

Playlist no Spotify

Playlist no YouTube

Dica 7 – Algumas coisas na vida são imprescindíveis… Então lembrem-se de fazer uma pausa de 15 a 20 minutinhos entre uma disciplina e outra, o que é bom para beber uma água e se alimentar, além de dar aquela esticada no corpitcho. Seu cérbero precisa relaxar, mas nada de redes sociais e procrastinação nessa hora, viu!?

Dica 8 – É fundamental que você faça anotações e comentários pelo caderno, questione os vídeos que assistir, assim como os livros e folhinhas que ler… Daí fica molezinha de fazer resumos para cada tópico estudado. Ah, não deixem de tirar suas dúvidas com os educadores também, beleza?

Agora, mais do que nunca, temos que manter nossas mentes beeem ativas. E é possível fazer isso de casa, mesmo estando sozinhos. Além de precisarmos seguir estudando pro vestibular, aprender também faz muito bem para nossa vida, nos ajudando a tomar melhores decisões e auxiliando na nossa motivação.

E aí, gostaram? Não quebrem essa corrente, pois o conhecimento é libertador! ❤️

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Prepara a pipoca: Cineminha das Manas

E aí minha, gente, tudo bem?

Continuando nossa dinâmica do mês da mulher e já aproveitando essa quarentena, que tal um cineminha, hein?

Separamos 12 filmes TOPS e já com o linkzinho no Youtube ou na Netflix. É só clicar, quer mais moleza?

Se liga aí:

  • 1 – Frida (EUA, Canadá, México, 2002) – Duração: 2h 03min

Frida Kahlo (Salma Hayek) foi um dos principais nomes da história artística do México. Conceituada e aclamada como pintora, ele teve um agitado casamento aberto com Diego Rivera (Alfred Molina), seu companheiro também nas artes, e ainda um controverso caso com o político Leon Trostky (Geoffrey Rush), além de várias outras mulheres.

Temáticas: Mulheres nas artes, empoderamento feminino, relacionamento abusivo, dor.

Assista aqui, na Netflix.

  • 2Histórias Cruzadas [The Help] (EUA, Índia, Emirados Árabes Unidos, 2011) – Duração: 2h 17min –

O filme se passa em Jackson, pequena cidade no estado do Mississipi (EUA) nos anos 60. Skeeter (Emma Stone) é uma garota da sociedade que retorna determinada a se tornar escritora. Ela começa a entrevistar as mulheres negras da cidade, que deixaram suas vidas para trabalhar na criação dos filhos da elite branca, da qual a própria Skeeter faz parte. Aibileen Clark (Viola Davis), a emprega da melhor amiga de Skeeter, é a primeira a conceder uma entrevista, o que desagrada a sociedade como um todo. Apesar das críticas, Skeeter e Aibileen continuam trabalhando juntas e, aos poucos, conseguem novas adesões.

Temáticas: Segregação racial, luta pelos Direitos Civis na década de 60, o trabalho das empregadas domésticas.

Assista o filme completo aqui, no Youtube, e confira o trailer abaixo.

  • 3 – A arte de amar (Polônia, 2017) Duração: 2h.

Durante o governo comunista na Polônia, uma ginecologista e sexóloga desafia os tabus da sociedade e luta para publicar seu livro revolucionário sobre amor e sexo.

Temáticas: Liberdade sexual feminina, a luta pelo controle reprodutivo com o uso de contraceptivos, patriarcado, mulheres na ciência.

Assista aqui, na Netflix.

  • 4 – Absorvendo o Tabu  (EUA, 2018) – Duração: 26 min 

Na Índia rural, onde o estigma da menstruação persiste, mulheres produzem absorventes de baixo custo em uma nova máquina e caminham para a independência financeira. 

Temáticas: Tabu da menstruação, machismo, construção do gênero.

Assista aqui, na Netflix.

  • 5 – Flor do Deserto (Reino Unido, Áustria, Alemanha, 2009) – Duração: 2 horas

Waris Dirie escapa dos terrores da Somália para ir trabalhar em Londres, onde um fotógrafo e um agente a ajudam a tornar-se uma modelo de sucesso. 

Temáticas: Cultura da mutilação genital e casamento forçado

Assista aqui, no Youtube. 

  • 6 – Brava Gente Brasileira (Brasil, 200) 

Um grupo de soldados acompanha o cartógrafo Diogo, um recém-chegado, que foi enviado pela Coroa Portuguesa para fazer um levantamento topográfico da região. No caminho do forte, eles descobrem um grupo de mulheres tomando banho em um rio. 

Temáticas: Colonização, violações contra os povos nativos, estupro e massacre de mulheres indígenas. 

Assista aqui, no Youtube. 

  • 7 – Felicidade por um Fio – (EUA, 2018) – Dir.: Haifaa Al Mansour. Com: Sanaa Lathan, Ricky Whittle, Lyriq Bent.- Duração: 1h 38min

Uma publicitária perfeccionista com problemas na vida amorosa embarca em uma jornada de autoconhecimento que começa no visual radicalmente novo. 

Temáticas: autoestima, autoconhecimento, drama. 

Assista aqui, na Netflix.

  • 8 – Thelma & Louise – (EUA, 1991) – Duração: 2h 09min 

No Arkansas, garçonete quarentona e jovem dona de casa entediadas resolvem fazer pequena viagem para fugir da rotina. Quando param num bar, matam um estuprador e fogem, com destino ao México, mas são perseguidas pela polícia. 

Temáticas: Patriarcado, machismo, estupro e feminismo.

Assista aqui, no Youtube. 

  • 9 – Olga (Brasil, 2004) – Dir.: Jayme Monjardim. Com: Camila Morgado, Caco

Ciocler, José Dumont – Duração: 1h 39min 

O filme narra a verdadeira história da militante alemã Olga Benário, que se apaixonou pelo líder comunista brasileiro Luís Carlos Prestes. 

Temáticas: Luta pelos ideais políticos, perseguição por governos autoritários, nazismo, direitos humanos.

Assista aqui, no Youtube. 

  • 10 – Que horas ela volta? (Brasil, 2015) – Dir.: Anna Muylaert. Com: Regina Casé – Duração: 1h 54min 

A pernambucana Val se mudou para São Paulo com o intuito de proporcionar melhores condições de vida para a filha, Jéssica. Anos depois, a garota lhe telefona, dizendo que quer ir para a cidade prestar vestibular. Os chefes de Val recebem a menina de braços abertos, porém o seu comportamento complica as relações na casa. 

Temáticas: O lugar da empregada doméstica nas relações de trabalho, maternidade, racismo, discriminação social. 

Assista aqui, no Youtube. 

  • 11 – Preciosa – Uma História de Esperança [Precious – the longest journey begins with a single step] (EUA, 2009) – Duração: 1h 49min.

Grávida de seu próprio pai pela segunda vez, Claireece “Preciosa” Jones de 16 anos, não sabe ler nem escrever e sofre abuso constante nas mãos de sua mãe. Instintivamente, Preciosa vê uma chance de mudar de vida quando ela tem a oportunidade de ser transferida para uma escola alternativa. Sob a orientação firme e paciente de sua nova professora, Sra. Rain, Preciosa começa a viagem da opressão para autodeterminação. 

Temáticas: Violência sexual, física e psicológica.

Assista aqui, no Youtube. 

  • 12 – A Máscara em que você vive  [The mask you live in] (EUA, 2015) – Duração: 1h 37min – Temática: Construção da masculinidade e cultura do estupro. 

Este documentário sobre a “crise dos meninos” nos EUA explica como criar uma geração de homens mais saudáveis e apresenta entrevistas com especialistas e acadêmicos. 

Assista aqui, na Netflix.

Esses e muitos outros filmes estão aqui nessa lista abaixo que preparamos pra vocês. Assista, compartilhe, indique e se divirta. Bom filme!

Publicado em filmes, Mês da Mulher | Marcado com , , | Deixe um comentário

Leitura da Uerj: O Triste Fim de Policarpo Quaresma

Fala, povoooo!

Estamos todos ligados que não tem sido fácil pra ninguém essas semanas e talvez essa quarentena ainda dure um bom tempinho, viu… Lembrando que não é férias!

Por conta disso, a gente vem tentando compartilhar ideias novas – além de informações sobre o coronavírus – para transformar esse momento em algo positivo e alto astral pra todo mundo. Talvez mais reflexivo pra uns, mais lúdico e animado pra outros… E por que não ser educativo também?

Já falamos aqui que o livro indicado para o 1º exame de qualificação do Vestibular UERJ 2021 foi “O Triste Fim de Policarpo Quaresma”, de Lima Barreto (baixe o PDF!). Hoje trouxemos algumas curiosidades e queremos ver geral super afiado. Aos que ainda não começaram a ler, nossa sugestão é que aproveitem a quarentena pra botar logo isso em dia e tirar as dúvidas.

Você sabia?

• …que também existe uma adaptação do livro feita especialmente para crianças?

Pois ela faz parte da coleção “Reencontro Infantil”, da Editora Scipione, que busca reunir clássicos da literatura universal numa linguagem acessível para os pequenos leitores

•… que tem ainda um filme baseado na história?

O título é “Policarpo Quaresma, Herói do Brasil”, uma comédia de 1998 que pode ser conferida gratuitamente aqui.

• …que a primeira edição do livro foi custeada pelo próprio autor?

Sim, isso mesmo. O romance foi levado a público, inicialmente, nos folhetins do extinto Jornal do Commercio, entre agosto e outubro de 1911, dividido em três capítulos. Lima Barreto, nesse período, teve de recorrer a empréstimos financeiros para conseguir publicá-los em forma de livro, o que ocorreu somente em 1915 com a editora Typ. “Revista dos Tribunaes”

As peripécias de Policarpo Quaresma chegaram a ser comparadas às aventuras empreendidas por Dom Quixote, o célebre cavaleiro andante criado pelo espanhol Miguel de Cervantes, em 1605. Foi apelidado pelo intelectual Alfredo Bosi de “o grande Dom Quixote nacional”, por conta do seu sentimento nacionalista nos primeiros anos da República Velha (1889 -1930).

Questões de vestibular

Bora testar seus conhecimentos no livro? Anote suas respostas:

1 – (UFRRJ) Fragmento de Triste fim de Policarpo Quaresma:

“Policarpo era patriota. Desde moço, aí pelos vinte anos, o amor da Pátria tomou-o todo inteiro. Não fora o amor comum, palrador e vazio; fora um sentimento sério, grave e absorvente. ( … ) o que o patriotismo o fez pensar, foi num conhecimento inteiro de Brasil. ( … ) Não se sabia bem onde nascera, mas não fora decerto em São Paulo, nem no Rio Grande do Sul, nem no Pará. Errava quem quisesse encontrar nele qualquer regionalismo: Quaresma era antes de tudo brasileiro.” (BARRETO, Lima. “Triste fim de Policarpo Quaresma”. São Paulo: Scipione, 1997.)

Este fragmento de “O Triste Fim de Policarpo Quaresma” ilustra uma das características mais marcantes do Pré-Modernismo que é o:

  • a) Desejo de compreender a complexa realidade nacional.
  • b) nacionalismo ufanista e exagerado, herdado do Romantismo.
  • c) resgate de padrões estéticos e metafísicos do Simbolismo.
  • d) nacionalismo utópico e exagerado, herdado do Parnasianismo.
  • e) subjetivismo poético, tão bem representado pelo protagonista.

2 – (ENEM) “Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades. Que lhe importavam os rios? Eram grandes? Pois que fossem… Em que lhe contribuiria para a felicidade saber o nome dos heróis do Brasil? Em nada… O importante é que ele tivesse sido feliz. Foi? Não. Lembrou-se das coisas do tupi, do folk-lore, das suas tentativas agrícolas… Restava disso tudo em sua alma uma satisfação? Nenhuma! Nenhuma! O tupi encontrou a incredulidade geral, o riso, a mofa, o escárnio; e levou-o à loucura. Uma decepção. E a agricultura? Nada. As terras não eram ferazes e ela não era fácil como diziam os livros. Outra decepção. E, quando o seu patriotismo se fizera combatente, o que achara? Decepções. Onde estava a doçura de nossa gente? Pois ele não a viu combater como feras? Pois não a via matar prisioneiros, inúmeros? Outra decepção. A sua vida era uma decepção, uma série, melhor, um encadeamento de decepções. A pátria que quisera ter era um mito; um fantasma criado por ele no silêncio de seu gabinete.” (BARRETO, L. Triste fim de Policarpo Quaresma. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br. Acesso em: 8 nov. 2011)

O romance Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto, foi publicado em 1911. No fragmento destacado, a reação do personagem aos desdobramentos de suas iniciativas patrióticas evidencia que:

  • A) a dedicação de Policarpo Quaresma ao conhecimento da natureza brasileira levou-o a estudar inutilidades, mas possibilitou-lhe uma visão mais ampla do país.
  • B) a curiosidade em relação aos heróis da pátria levou-o ao ideal de prosperidade e democracia que o personagem encontra no contexto republicano.
  • C) a construção de uma pátria a partir de elemento míticos, como a cordialidade do povo, a riqueza do solo e a pureza linguística, conduz à frustração ideológica.
  • D) a propensão do brasileiro ao riso, ao escárnio, justifica a reação de decepção e desistência de Policarpo Quaresma, que prefere resguardar-se em seu gabinete.
  • E) a certeza da fertilidade da terra e da produção agrícola incondicional faz parte de um projeto ideológico salvacionista, tal como foi difundido na época do autor.

3 – (UFRGS) Considere as seguintes afirmações sobre “O Triste Fim de Policarpo Quaresma”, de Lima Barreto:

I – Na primeira parte, o autor apresenta um funcionário público exemplar, um patriota e um nacionalista obcecado.
II – Na segunda parte, Policarpo está no campo, dedicando-se à lavoura nas terras férteis do país, mas as saúvas põem fim ao seu projeto.
III – Na terceira parte, em que prevalece a sátira política, Policarpo rebela-se contra a República e o militarismo, acabando preso e condenado à morte.

  • Quais estão corretas?
  • a) Apenas I.
  • b) Apenas II.
  • c) Apenas I e III.
  • d) Apenas II e III.
  • e) I, II e III.

4 – (UPE) “O Triste Fim de Policarpo Quaresma” é um romance em terceira pessoa, em que se nota maior esforço de construção e acabamento formal. Lima Barreto nele conseguiu criar uma personagem que não fosse mera projeção de amarguras pessoais como o amanuense Isaías Caminha, nem um tipo pré-formado, nos moldes das figuras secundárias que pululam em todas as suas obras. O Major Quaresma não se exaure na obsessão nacionalista, no fanatismo xenófobo; pessoa viva, as suas reações revelam o entusiasmo do homem ingênuo, a distanciá-lo do conformismo em que se arrastam os demais burocratas e militares reformados cujos bocejos amornecem os serões do subúrbio. (Bosi, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. São Paulo: Editora Cultrix, 1998)

Quais dos trechos a seguir são da obra mencionada acima?

I. “Seriam nove horas do dia. Um sol ardente de março esbate-se nas venezianas que vestem as sacadas de uma sala, nas Laranjeiras. A luz coada pelas venezianas empanadas debuxa com a suavidade do nimbo o gracioso busto de Aurélia sobre o aveludado escarlate do papel que forra o gabinete. Reclinada na conversadeira com os olhos a vagar pelo crepúsculo do aposento, a moça parece imersa em intensa cogitação. O recolho apaga-lhe no semblante, como no porte, a reverberação mordaz que de ordinário ela desfere de si, como a chama sulfúrea de um relâmpago.”

II. “Na ficção, havia unicamente autores nacionais ou tidos como tais: o Bento Teixeira, da Prosopopeia; o Gregório de Matos, o Basílio da Gama, o Santa Rita Durão, o José de Alencar (todo), o Macedo, o Gonçalves Dias (todo), além de muitos outros. Podia-se afiançar que nem um dos autores nacionais ou nacionalizados de oitenta pra lá faltava nas estantes do major.”


III. “Uma noite destas, vindo da cidade para o Engenho Novo, encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu conheço de vista e de chapéu. Cumprimentou-me, sentou-se ao pé de mim, falou da Lua e dos ministros, e acabou recitando-me versos. A viagem era curta, e os versos pode ser que não fossem inteiramente maus. Sucedeu, porém, que, como eu estava cansado, fechei os olhos três ou quatro vezes; tanto bastou para que ele interrompesse a leitura e metesse os versos no bolso. — Continue, disse eu acordando. — Já acabei, murmurou ele. — São muito bonitos.”


IV. “De sorte que quem o contorna, seguindo para o norte, observa notáveis mudanças de relevos: a princípio o traço contínuo e dominante das montanhas, precintando-o, com destaque saliente, sobre a linha projetante das praias; depois, no segmento de orla marítima entre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo, um aparelho litoral revolto, feito da envergadura desarticulada das serras, riçado de cumeadas e corroído de angras, e escancelando-se em baías, repartindo-se em ilhas, e desagregando-se em recifes desnudos, à maneira de escombros do conflito secular que ali se trava entre os mares e a terra; em seguida, transposto o 15° paralelo, a atenuação de todos os acidentes — serranias que se arredondam e suavizam as linhas dos taludes, fracionadas em morros de encostas indistintas no horizonte que se amplia; até que em plena faixa costeira da Bahia, o olhar, livre dos anteparos de serras que até lá o repulsam e abreviam, se dilata em cheio para o ocidente, mergulhando no âmago da terra amplíssima lentamente emergindo num ondear longínquo de chapadas.”

V. “Tinha todos os climas, todos os frutos, todos os minerais e animais úteis, as melhores terras de cultura, a gente mais valente, mais hospitaleira, mais inteligente e mais doce do mundo – o que precisava mais? Tempo e um pouco de originalidade. Portanto, dúvidas não flutuavam mais no seu espírito, mas no que se referia à originalidade de costumes e usanças, não se tinham elas dissipado, antes se transformaram em certeza após tomar parte na folia do “Tangolomango”, numa festa que o general dera em casa.”

Estão CORRETOS apenas os itens:

A) I, II e III
B) I e III
C) II e IV
D) II e V
E) IV e V

5 – (UNEMAT) Sobre “O Triste Fim de Policarpo Quaresma”, de Lima Barreto, pode-se afirmar:

  • A) É um poema épico que conta a história de Marechal Floriano.
  • B) É uma narrativa de ficção que conta a história de Brás Cubas.
  • C) É um livro de memórias escrito por Riobaldo Tatarana.
  • D) É um conto que narra a história de amor de Olga e Marechal Floriano.
  • E) É um romance em que é narrada a história de um brasileiro visionário.

*

Bora chegar mais, galera. Contem pra gente quais foram as principais dúvidas que tiveram, o que absorveram e o que mais gostaram na trama, enfim… O que mais for relevante pra vocês comentarem, estaremos aqui para trocar ideia. A gente tá longe fisicamente, mas afetivamente o objetivo é ficar sempre beeeeem pertinho. Lavem as mãos e fiquem em casa, beleza?

É desse jeito que logo, logo chega a hora de retomarmos nossas vidinhas e seguir o fluxo normalmente. Estamos juntes! ✊

Publicado em literatura | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Playlist das Manas

Já que estamos no Mês da Mulheres, construímos uma playlist bemmm bacana com músicas de vários estilos (pop, reggae, rock, rap, samba, funk, gringa) que falam das mulheridades e suas vivências. São músicas pra ouvir, dançar, refletir, se divertir, aprender… Arrisquem! Apostem em conhecer artistas diferentes.

No spotify.

No Youtube.

Aproveita e segue o canal do CPV!

Publicado em Mês da Mulher | Marcado com , , | Deixe um comentário

NO AR: Semana da Saúde On-line

E aí, galera! Hoje seria nosso aulão de SAÚDE PÚBLICA, mas devido a suspensão das aulas por conta dos riscos oferecidos pelo coronavírus, não poderemos estar juntos… 😔
Masssss… ninguém vai ficar sem esse aulão tão importante no contexto atual: o aulão será on-line! 

Nos próximos 6 dias, as 19h postaremos no blog do CPV vídeos gravados por nossos educadores e materiais trabalhando vários temas essenciais! É só clicar aqui em cima na aba “Aulões Online” ou direto nesse link: https://cpvceasm.wordpress.com/auloes-online/. Não esquece de compartilhar com geraaaal!

A primeira aula com o educador Flávio já tá no ar! Fica de olho e vamos nos informar, ouvir, refletir e exercitar o senso crítico!

AbraSUS!

Publicado em aulão online | Marcado com , | Deixe um comentário

YouTubers negras que você precisa conhecer

Hoje, 21 de Março, é o Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial. Pra seguir a vibe do ‘Mês da Mulher’ e esse período de isolamento, vamos deixar aqui o link pra uma listinha BABADEIRA só com YouTubers pretas. Vocês precisam conferir!

@SapatãoAmiga

Ana Claudino é geminiana, tem metade do mapa astral em leão e gosta de botar a cara no sol. É publicitária, carioca e integrante da Revista Vírus. Em 2017, criou o canal no youtube chamado “Sapatão Amiga”, com a proposta de expor seus pensamentos e trocar ideias com outras mulheres negras e lésbicas e deixar registro da existência dos corpos negros e lésbicos.

@CanalDasTravas

Rosa Luz tem 22 anos, é trans, negra, rapper, youtuber, artista e comunicadora. Nascida e criada na periferia do Distrito Federal, idealizou o Canal das Travas com objetivo de visibilizar narrativas transvestigeneres e debater arte e cultura a partir de perspectivas marginalizadas. Rosa participou do documentário Chega de Fiu Fiu, produzido pelo coletivo feminista Think Olga, para trazer à tona o assédio vivido pelas mulheres na ruas.

Em entrevista à Huffpost Brasil, a youtuber contou que na adolescência vivia “um momento muito conturbado com meus pais se separando e já com conflitos identitários, então focava nos estudos para esquecer dos problemas”. “Ela seguiu assim até o dia em que fez uma pintura na aula de artes que tinha no colégio e sentiu que, ali, poderia depositar suas emoções.

Resolveu cursar Teoria Crítica e História da Arte na Universidade de Brasília e no curso passou a produzir muito mais do que imaginava. Rosa fazia artes visuais e performances, mas foi na fotografia que encontrou um caminho. Foi nessa época que seu processo de transição aconteceu. Com uma peruca e um batom diante da câmera, ela se reconheceu: ‘Os dez segundos do timing era o tempo que eu tinha pra mostrar e o que pertencia ao meu corpo e não o que me foi colonizado ou que a sociedade me disse em como para me comportar. E foi ali que eu comecei a auto-afirmar’, lembra. Depois de expor e produzir alguns projetos, ela foi selecionada para uma residência artística no Reino Unido, onde viajou por 2 meses com 10 artistas. “Foi quando alguém me perguntou como eu queria ser tratada e eu disse que era como “ela”. Quando eu vi, já era Rosa Luz”. 

@AnaPaulaXongani 

Ana Paula Xongani é mãe, empresária de moda e influenciadora digital. Em seu canal ela fala sobre maternidade, moda, maquiagem, identidade negra e cultura afro. Possui uma marca de moda chamada “Xongani” e apresentou um programa na GNT chamado “Se essa roupa fosse minha”. Em Julho de 2018, Ana Paula participou de uma produção especial original da Tastemade de três episódios, com foco na gastronomia africana.

@Preta, Nerd e Burning Hell 

Anne Caroline Quiangala é preta e nerd. Se afirmar preta e nerd é dar visibilidade a existência de mulheres negras que são nerds. A capixaba começou a jogar game com 5 anos de idade e desde pequena gostava de ler, aprender, estudar. Ou seja, sempre foi nerd. Hoje é formada em letras (português/literatura) e mestre em literatura. Seu trabalho final foi: “A fantasia deles sobre nós: a representação de Heroínas Negras nos quadrinhos mainstream da Marvel”. Trabalha como professora, escritora de quadrinhos, revisora, consultora e pesquisadora da cultura nerd e cultura pop. Começou a compartilhar suas reflexões sobre o mundo nerd através do Blog e depois nasceu o canal do Youtube e o Instagram. No canal Preta, Nerd e Burning Hell, ela compartilha suas reflexões e experiências sobre o Mundo Nerd (quadrinhos, super-heróis e superheroínas, filmes, séries); Ciência, Literatura, Games e Feminismo Negro. Ela ainda produz poucos vídeos. Ela é mais ativa no Instagram e no Blog. 

@DePretas 

Gabriela Oliveira é carioca e possui formação em Relações Públicas pela UERJ. Seu canal nasceu a partir de um trabalho. Estudando, aprendendo sobre redes sociais, usando seu bom humor, se conectando com outras mulheres negras, se arriscando nas discussões propostas no vídeos, ela foi crescendo cada vez mais. No seu canal DePretas (hoje chamado apenas “Gabriela Oliveira”), Gabi fala sobre questões da Estética Negra (cabelo, maquiagem, cuidados com a pele), Autocuidado (relatos de experiências), Feminismo negro e Questões raciais. Em outubro de 2019, Gabi ganhou o Prêmio

Influenciadores Digitais na categoria comportamento e estilo de vida. Em uma entrevista ao Correio Braziliense, Gabi diz que “Houve coisas sobre mim e sobre as relações sociais no Brasil que só aprendi na universidade. Esses ensinamentos fizeram eu me entender no mundo. Estudar sobre a sociedade me fez entender que muito do que acontecia com comigo era um problema estrutural, não um problema meu.” “Nunca passou pela minha cabeça a possibilidade de trabalhar com o que trabalho hoje. Eu sempre quis trabalhar em empresa, ter horários certos, não precisar aparecer muito, tudo bem regrado, rs! Porém, depois de começar a estudar mais as questões étnico-raciais na universidade e fazer uma pesquisa sobre o impacto das redes sociais na valorização da estética negra, percebi a necessidade da construção de novas narrativas para escancarar o racismo, estimular a autoestima e normalizar a existência da pessoa negra para além dos estereótipos que sempre nos foram impostos”, conta em entrevista ao Hypeness. 

@LuciGonçalves

Luci tem o canal com seu nome Luci Gonçalves. Ela é uma mulher negra, feminista, bissexual, carioca e tem 21 anos. Nascida no Subúrbio do Rio, no bairro Colégio e criada em favela. Na época de sua transição capilar, Luci estava aprendendo muitas coisas em sites gringos e seus amigos sempre estavam perguntando sobre como cuidar do cabelo e tal. Por isso, a pedido de amigos e amigas, ela começou a escrever num blog e compartilhar com sua galera.

Depois passou a postar vídeos no Youtube sobre Beleza, Favela, questões LGBT, Relacionamento, Estilo de vida e Questões raciais. No seu Instagram @lucigoncalvesa, Luci traz muita beleza, autoestima, moda, diversão. Ela passou por vários processos difíceis em relação ao seu corpo, sua autoestima e sua saúde mental e compartilhou desses processos no seu canal. Em um de seus vídeos, ela diz que a escola a ajudou a entender a sociedade e opressões que a atinge, a aprender com os relatos de outras pessoas e a se repensar. Daí surgem as temáticas dos conteúdos que produz para a internet.

@Joyce Show 

Joyce Gervaes é geminiana, apresentadora, produtora e produtora de conteúdo digital. Formada em Comunicação Social – Rádio e Televisão. Sempre sonhou em ser apresentadora de TV. Em 2015, criou o canal “Joyce Show” no qual aborda temas como autoestima, identidade negra e empoderamento de mulheres negras e gordas. Foi endicada pela revista Think Olga, como uma das mulheres inspiradoras em 2016 e foi convidada pelo Youtube Space SP, para participar do Projeto Youtube Negro. 

@TransPreta

A travesti Givoanna Heliodoro é historiadora, apresentadora, artista independente, afrotransfeminista, DJ, produtora cultural e articuladora política da Zona Norte de Belo Horizonte. Em seu canal, ela procura compartilhar suas vivências em meio a transição, discutir questões sociais, raciais e sobretudo ligadas a gênero e sexualidade. Em entrevista ao G1 sobre a 1ª edição do Festival Transviva, realizado na capital mineira em janeiro de 2019, Giovanna disse que “visibilidade [trans] nada mais é do que a gente ser reconhecido de uma forma natural. Da gente ser naturalizado e também tendo noção de que (…) a gente quer reconhecimento para além dessa naturalidade”, ou seja, posições de destaque e de poder.

@NátalyNeri 

Nátaly é criadora do canal Afro e Afins, hoje apenas “Nátaly Neri”. Ela tem 25 anos e é graduada em Ciências Sociais. É uma das principais digital influencers negras. Através do seu canal Afro e Afins, ela estimula a autonomia financeira, intelectual e estética da mulher negra e reflete sobre várias coisas: Sua história de vida e autoconhecimento, Autocuidado (cabelo, pele, alimentação), Receitas de produtos caseiros (cabelo, pele, alimentação), Terapias alternativas (aromaterapia, etc), Negritude (racismo, colorismo, apropriação cultural, etc), Consumo consciente (roupas de brechó, produção de produtos naturais, etc), Veganismo e Feminismo. 

@PapoDePreta 

Natália Romualdo e Maristela Rosa são amigas, mineiras e jornalistas. Em 2015, criaram o canal “Papo de Preta”, que hoje possui 113 mil inscritos, para conversar sobre seus hobbies, empoderamento negro, questões raciais e autocuidado. Participaram do JulhoDasPretas, promovido pelo ONU Mulheres para falar sobre os desafios das afro-brasileiras

para alcançar a igualdade de gênero, conforme proposto pela Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Participaram de Todas Avançam Juntas, websérie lançada pela Renner para falar sobre as transformações que mulheres geram. “Estamos lutando por uma coisa básica, que é o direito de ser visto como pessoa. Uma pessoa com sentimentos, com oportunidades. Nós, negros, somos representados na mídia como força braçal, como mulheres sexualizadas ou componentes de um espaço de servitude”, destaca Maristela em uma roda de conversa “Representação e Autoimagem Negra”, realizada no Instituto de Ciências Humanas (ICH), da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

@TAYA

Taiane Oliveira, Mc Taya, ou apenas Taya, é nascida e criada em Nova Iguaçu e Japeri, na baixada fluminense do Rio de Janeiro. Hoje é uma estrela nas redes sociais, em prol do feminismo e do amor próprio. Aos 25 anos de idade, já mudou a cor e o estilo das madeixas cacheadas mais do que muita gente ao longo de toda uma vida. Depois de mergulhar nas redes sociais, acabou embarcando em outra carreira: marketing de influência e entretenimento.

A produção de conteúdo é levada tão a sério que vai de trabalho à diversão, seja dançando, curtindo shows ou apreciando museus e teatros. Em 2014, no boom do feminismo, ela comecei a fazer textão feminista e teve alguns compartilhamentos. No ano seguinte entrei em transição capilar e coloquei umas tranças rosas. O que chamou bastante a atenção das pessoas e as meninas da sua cidade ou rolê começaram a se identificar com ela. Até que ela apareceu com umas tranças em degradê. Bombou né! Começou ensinando as meninas no Facebook como elas poderiam pintar as próprias tranças. Descobri isso porque estava no final da graduação de Indumentária e havia acabado de fazer uma matéria de estamparia. Aí começaram a me pedir pra que ela fizesse um blog. Depois veio canal e tudo foi acontecendo.

Gostou? Segue, se inscreve e compartilha. Bora fortalecer as manas! 

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , | Deixe um comentário

Suspensão das Atividades em função do Covid-19

Publicado em avisos | Marcado com | Deixe um comentário

Prepara a pipoca: Filmes indicados em aula

Quarta feira de cinzas logo aí e preparamos uma listinha de filmes indicados EM AULA pra vocês verem quando cansarem dos bloquinhos.

Descolamos os links pra vocês não terem trabalho nenhum, é só clicar. A maioria está disponível no YouTube:

Aulão da Maré

• Remoções, 2016 (Série Contagem Regressiva) – Assista

• Toxic Guanabara, 2016 – Assista


Sociologia

• Uma História de Amor e Fúria, 2013 – Assista

História Geral

• O Olho de Horus, 1999 – Assista

História do Brasil

• Guerras do Brasil.doc, 2018 (Netflix) – Assista

Matemática

• O Jogo da Imitação, 2014 – Assista

• A História do Número 1, 2005 – Assista

Geografia

• Nzinga, Rainha de Angola, 2013 – Assista

• Raízes, 2016 (Série) – Assista

• Hotel Ruanda, 2004 – Assista

Física

• O menino que descobriu o vento, 2019 (Netflix) – Assista

Bom carnaval, meu povo! ❤

Publicado em filmes | Marcado com , , , | Deixe um comentário